Novembro Azul
Notícias
10/01/2013 19h21 - Atualizado em 10/01/2013 19h21
Amapá dá passo decisivo para sua industrialização com a construção da primeira siderúrgica
Da Redação - Agência Amapá
A-A+ Tamanho da Letra

Grupo Zamin confirma ao governador Camilo Capiberibe investimento de US$ 120 milhões no Amapá

Pramod Agarwal destacou também a logística existente no Amapá, especialmente o Porto de SantanaDentro de 18 meses entrará em operação o primeiro alto-forno para produção de ferro-gusa do Amapá, etapa inicial para a construção da primeira siderúrgica do Estado. Com investimentos de US$ 120 milhões do grupo Zamin Ferrous, sediado em Londres (Reino Unido), o projeto e o plano de investimentos foram apresentados nesta quinta-feira, 10, ao governador do Amapá, Camilo Capiberibe, pelo proprietário e presidente da corporação indiana, Pramod Agarwal.

A reunião com o staff da companhia, que recentemente adquiriu o controle da Anglo Ferrous, aconteceu no Palácio do Setentrião. Além do governador, estavam presentes o secretário de Estado da Indústria, Comércio e Mineração, José Reinaldo Picanço; o prefeitos de Santana, Robson Rocha; de Pedra Branca do Amapari, Wilson de Souza; e de Serra do Navio, José Maria Lobato, municípios que serão diretamente beneficiados pelo empreendimento. Pela Zamin Ferrous, participaram Pramod Agarwal (presidente do grupo), Malay Mukherjee (CEO global), Atul Injatkar (diretor geral da Zamapá, subsidiária do grupo), e os executivos Antonio Cau e Jay Shah.

Segundo o cronograma apresentado pelos executivos do grupo Zamin, a implantação da primeira siderúrgica do Amapá se dará em duas etapas. Em 18 meses, a empresa vai investir US$ 60 milhões na construção de um alto-forno para produção de ferro gusa. A planta industrial será localizada na área que pertencia à Sólida Mineração S/A, no Distrito do Coração, em Macapá. Nessa fase, serão empregadas 1.000 pessoas. Ao término, serão contratados 200 trabalhadores para operar a produção de ferro-gusa.

A construção do segundo alto-forno destinado à produção de aço está prevista para doze meses, com investimento de US$ 60 milhões. De acordo com o projeto, 600 pessoas serão contratadas e, ao final da obra, 100 trabalhadores irão operar a aciaria. O aço proveniente do Amapá será utilizado na produção de máquinas agrícolas, eletrodomésticos, indústria automobilística, construção civil, mineração e fundição.

Salto industrial

"Com a implantação da primeira indústria siderúrgica no Estado, o projeto da Zamin Ferrous representa o primeiro passo para a industrialização do Amapá, que sairá da condição de fornecedor de matéria-prima mineral para a produção de aço, voltado aos mercados local, nacional e para a exportação", avaliou Camilo Capiberibe.

O governador acrescentou que "além da verticalização industrial com produto de valor agregado, o empreendimento vai gerar 1.900 empregos diretos, impulsionar a construção civil, estimular novos negócios e gerar mais impostos. Com isso, vamos reduzir a dependência do Amapá em relação às transferências de recursos federais, hoje, da ordem de 65% das nossas receitas".

Ao anunciar os investimentos, Pramod Agarwal destacou o excelente ambiente político do Amapá para novos empreendimentos. "O primeiro alicerce para o sucesso de qualquer empreendimento de verticalização consiste em ganhar o apoio político, especialmente do governador do Estado, como acontece agora", frisou.

Além da ambiência política favorável, o proprietário do grupo empresarial ressaltou outros dois fatores fundamentais para a decisão de investir no Amapá: a matéria-prima local, no caso, o ferro de Pedra Branca do Amapari, e a energia de qualidade.

Pramod Agarwal destacou também a logística existente no Amapá, especialmente o Porto de Santana, onde serão desembarcados os equipamentos para a construção dos dois alto-fornos e, futuramente, servirá para escoar a produção do aço produzido no Estado.

O presidente da Zamin Ferrous acentuou que irá contratar, preferencialmente, mão-de-obra local tanto na fase de construção como na operação da produção de ferro-gusa e aço. Ponderou, no entanto, que irá precisar de, pelo menos, dez vistos para trazer profissionais especializados do exterior, que atuarão na fase de construção da aciaria.

Governo do Amapá vai investir R$ 30 milhões

Com relação ao fornecimento de energia, o governador Camilo Capiberibe confirmou que o Estado do Amapá vai investir R$ 30 milhões, valor da isenção do ICMS, para a construção de um linhão que levará energia elétrica da Hidrelétrica da Ferreira Gomes Energia, até os municípios de Pedra Branca do Amapari, base da extração do minério de Ferro, e serra do Navio.

"Diante das metas agressivas do projeto apresentado, vamos trabalhar de forma conjunta para cumprir esse cronograma, por isso, o acordo para construção do linhão até Pedra Branca do Amapari, que foi selado com a Anglo Ferrous, será mantido e executado na implantação do polo siderúrgico da Zamim Ferrous", garantiu.

O governador também disse que vai encaminhar à Assembléia Legislativa o pedido para autorização de concessão da linha férrea no transporte de minério de ferro de Pedra Branca do Amapari até os alto-fornos que a Zamin Ferrous vai construir no Distrito do Coração, em Macapá.

Autorização da Assembleia

No almoço oferecido por Camilo Capiberibe aos empresários na Residência Oficial do governador, o presidente da Assembleia Legislativa, Júnior Favacho, disse que receberá os executivos do grupo Zamin Ferrous neste sábado, 12, para uma audiência.

"Vamos apreciar a anuência da reivindicação e, assim que o pedido formal do governador Camilo Capiberibe sobre a concessão da estrada de ferro chegar ao Parlamento, ele transitará pelas comissões específicas e deverá ser votado após o recesso parlamentar", garantiu Júnior Favacho.

Régis Sanches/Secom

Cadastre-se para receber o Boletim Eletrônico
Nome
E-mail
Assessorias
Secretaria de Estado da Comunicação